4 de set de 2009

Obesidade envelhece o cérebro em 16 anos

Pessoas obesas têm 8% menos tecido cerebral do que o comum. Isso faz com que seus cérebros pareçam 16 anos mais velhos do que os de pessoas com peso normal, indica um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.

Já as pessoas que estão com sobrepeso têm um tecido cerebral 4% menor, o que faz com que seus cérebros envelheçam em 8 anos. O resultado da pesquisa, baseada nas tomografias de 94 pessoas em torno de 70 anos, representa "uma degeneração cerebral severa" em quem tem problemas com o peso, segundo o autor do estudo Paul Thompson, professor de neurologia da UCLA.

"Uma grande perda de tecido cerebral esgota suas reservas cognitivas, o que aumenta muito o risco de adquirir Alzheimer ou outros tipos de demência", explica Thompson. "Mas é possível diminuir consideravelmente esse risco se as pessoas se alimentarem de forma saudável e mantiverem o peso sob controle".

A obesidade ainda provoca outros problemas sérios de saúde, como doenças no coração, diabetes tipo 2, hipertensão e alguns tipos de câncer. Alguns estudos ainda ligam a obesidade à redução da atividade sexual.

Mais de 300 milhões de pessoas estão classificadas como obesas em todo o mundo, segundo o mais recente levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS). A perda de tecido cerebral nelas ocorre, sobretudo nos lóbulos frontais e temporais - áreas do cérebro que controlam a memória -, no hipocampo, que controla a memória de longo prazo, no giro do cíngulo, responsável pela atenção, e no gânglio basal, região que controla os movimentos.

A obesidade é medida com base no cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC). A conta consiste em dividir seu peso pela sua altura ao quadrado. O resultado ideal está na faixa entre 18,5 e 25. Pessoas acima de 25 são consideradas com sobrepeso e acima de 30, obesas.

Nenhum comentário: