5 de set de 2009

Conheça a Dermatoglifia, que pode indicar a escolha do exercício

Alguma vez você já se perguntou porque não consegue ficar tanto tempo praticando uma atividade aeróbica, devido ao cansaço? Ou ver que seus músculos não crescem tanto quanto os do seu amigo apesar de os treinos serem idênticos? A resposta é que o seu corpo reage ao estímulo de modo diferente, em função do tipo de fibra muscular que ele é constituído.

Através da DERMATOGLIFIA do latim, dermo, significando “pele”; e do grego, glypha, significando “gravar”, que é um método Russo, desenvolvido em Moscou e trazido ao Brasil pelo Prof. Dr. José Fernandes Filho, professor da Universidade Castelo Branco, do Rio de Janeiro, que concluiu sua tese de doutorado sobre o assunto naquele país, é possível com a coleta das impressões digitais de seus dez dedos das mãos, revelar o tipo de massa muscular, herdada geneticamente dos seus pais que é definida durante o terceiro e sexto mês de gestação.

Na prática, esta informação pode fazer toda a diferença na hora de escolher o tipo de exercício físico que trará melhores resultados para você, pois com a dermatoglifia é possível identificar seus pontos fracos e fortes, pessoais e intransferíveis e, a partir daí, montar um treino focado no seu potencial genético. Conclusão: os resultados são mais rápidos e seu treino é mais eficiente, o que irá motivá-lo a prática da atividade física.

Para colher as digitais, o procedimento é igual ao utilizado para emissão da carteira de identidade. A combinação de três fatores é que determina o tipo de fibra muscular. Um deles é o tipo de desenho que as linhas formam. Os predominantes são: Presilha (L), Verticilo (W, S-Desenho), ou Arco (A). Outro fator é o índice Delta, definido pela congruência das linhas que formam o tipo de desenho. Também contam-se a quantidade de linhas que cada desenho contém. Através destes três parâmetros é que se faz a interpretação e análise e se chega a um diagnóstico do tipo de fibra muscular. Até pouco tempo, a definição do tipo de fibra somente era possível com uma biópsia (procedimento laboratorial, oneroso e dolorido).

Fibras - Existem, basicamente, dois tipos de fibra muscular: as lentas ou vermelhas e as rápidas ou brancas. As lentas se caracterizam por um predomínio da resistência, graças à grande quantidade de mitocôndrias, estruturas que geram energia dentro da célula por muito tempo e são resistentes à fadiga. As rápidas se caracterizam pela grande estrutura das fibras, capazes de gerar muita força e velocidade, mas entram em fadiga rápido.

Com a determinação do tipo de fibra é possível escolher o melhor exercício, também servir como fator de escolha do esporte que você queira praticar além da posição na quadra, ou o estilo e a tática de jogo que deve adotar.

Após o diagnóstico, se você possui uma musculatura com predominância de fibras rápidas você deverá priorizar o trabalho de musculação porque você hipertrofia os músculos e ganha força depressa. No caso de uma modalidade, você deve escolher aquela em que esteja envolvida grande potência (velocidade e força juntos) como corridas de velocidade, provas de natação de curtas distâncias, saltos, lançamento; no estilo de esporte se optar em jogar tênis, pode aproveitar a sua potência e jogar para ganhar os pontos no saque, pois esse é seu forte, como também treinar o seu ponto fraco que é a resistência.

No caso de possuir uma musculatura com predominância de fibras lentas, você deverá priorizar trabalho aeróbico, pois demora muito para cansar e consegue permanecer por muito tempo na atividade, escolhendo em participar de provas de longa duração como corridas, maratonas, travessias, jogos e treinar o seu ponto fraco que é a força.

Diversas pesquisas estão sendo realizadas e chegam a conclusão de que a dermatoglifia é um importante fator para determinar o perfil adequado para diversas modalidades no esporte brasileiro entre elas: corredores de provas de longa distância, no futsal de alto rendimento, nos atletas profissionais de futebol de campo, ginástica olímpica, triatlo, natação em provas de meio-fundo e fundo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Adorei este artigo. Explica de uma maneira simples, mas técnica ao mesmo tempo. Parabéns!