27 de out de 2009

Homens casados praticam mais exercícios que suas mulheres, diz médico

Foram avaliados 345 casais com idade entre 70 e 79 anos.


Atividade física é determinante para manter longevidade.



Sabe aquele simpático casal de idosos que você conhece e algumas vezes inveja por vê-los fazendo exercícios sempre juntos? Se a mulher é fisicamente ativa, seu marido tem três vezes mais chances de ser também ativo fisicamente.



Essa foi a descoberta de uma pesquisa realizada por cientistas norte-americanos. Para chegar a essa conclusão foram avaliados 345 casais de um grupo de mais de três mil homens e mulheres com idade entre 70 anos e 79 anos.



Todos os participantes responderam a questionários que permitiram a análise da atividade física total dessas pessoas.



Os homens casados foram os que apresentaram maior índice de participação em exercícios, seguidos por suas esposas que foram as mulheres mais ativas do grupo.



Mesmo quando os fatores que poderiam mascarar os resultados foram levados em conta, como índice de massa corporal e presença de doenças crônicas, os casados permaneciam na ponta.



A pesquisa ("Influence of Marital Status on Physical Activity Levels among Older Adults", na "Medicine & Science in Sports & Exercise" 38(3):541-546) é mais uma razão cientifica para nos mantermos ativos mesmo após chegarmos à chamada terceira idade.



Cada vez mais a ciência prova que a prática de exercícios regulares é a prevenção mais barata e das mais eficientes para diminuir o impacto de doenças crônicas e também preservar a nossa qualidade de vida.



por Luís Fernando Correa

24 de out de 2009

Exercício não faz você emagrecer, qual influência para o fitness atual

Alguns donos de academias descobriram que o exercício tem impacto zero na perda de peso, mas muitos ainda colocam a perda de peso nas suas negociações de vendas. Mesmo que apenas um por cento das academias dos EUA continuem a vender o exercício como a solução para a perda de peso, as academias serão vistas como "malandras", que não dizem a verdade e que fazem qualquer coisa para vender.

Nos anos 70 as pesquisas de obesidade começaram a promover o exercício como fundamental para perda de peso. Mas considere isso:

:: Somente cinco por cento das pessoas que tentam perder peso conseguem mantê-lo depois, mesmo aqueles que são mais adeptos ao exercício.

:: Algumas pesquisas mostram que as pessoas obesas já gastam mais energia do que pessoas com mesma altura, peso, sexo, e estrutura óssea. Ou seja, eles gastam mais calorias com a mesma quantidade de exercício.

Descobertas recentes mostram que fazer exercícios não faz você emagrecer!

:: De acordo com um artigo do dia 17 de agosto da revista Time Magazine, o papel do exercício na perda de peso tem sido superestimado. Dr. Timothy Church, responsável da área de metabolismo na Louisiana State University dividiu 464 mulheres obesas que não se exercitavam em 4 grupos. Três desses grupos trabalharam com um personal trainer por 72, 136 e 194 minutos por semana por seis meses. O quarto grupo, de controle, não fez nenhuma mudança em seu estilo de vida. Surpreendentemente, mulheres que se exercitaram com um personal trainer não perderam uma quantidade significativamente maior de peso do que o grupo controle que não se exercitou. Alguns dos grupos na verdade ganharam peso que variava em até 10 libras (a maioria em massa magra)! Mesmo assim, eles não perderam mais gordura corporal do que o grupo controle.

:: Uma matéria de 2001 da Obesity Research Journal afirmou que um quilo de músculo queima aproximadamente seis calorias por dia em um corpo em repouso comparado com as duas calorias de gordura que queima. Em outra palavras, depois de você treinar duro para converter 10 quilos de gordura em músculo, você só estaria apto para comer um extra de 40 calorias por dia antes de começar a engordar novamente.

:: Um garrafa de Gatorade contém 130 calorias. Se você estiver quente e com sede depois de um treino forte, é fácil tomar toda aquela garrafa, fazendo sua ingestão e gasto calórico serem quase o mesmo.

As boas notícias sobre o exercício ainda são verdadeiras.

Exercício previne doenças, amplia a saúde cerebral e capacidade cognitiva. Pessoas mais velhas que se exercitam pelo menos uma vez por semana são 30% mais capazes de manter a função cognitiva. Pessoas com dores nas costas que se exercitam por quatro dias na semana possuem 36% menos perda de função do que aqueles que se exercitam de três a quatro vezes por semana.

Dito isso, muitas pesquisas de obesidade discutem que níveis baixos de atividade física – do tipo que os humanos tem feito há milhares de anos - podem na verdade ser mais efetivos do que estímulos intensos ocasionais de exercício em uma academia, em parte porque ficar sentado o dia todo, e então treinar 30 minutos produz stress.

Em que medida você confia em pesquisa?

Gina Kolata, uma colunista de ciência do New York Times e palestrante na International Health, Racquet & Sportsclub Association Convention, escreveu o livro

Pouquíssimas pesquisas puras são feitas na área da saúde com grupos de controle confiáveis, sendo que a maioria dos dados sobre saúde são apenas balelas. Nós também sabemos pelo trabalho da Dartmouth Medical School, que foca em Medicina Baseada em Evidências, que a maioria das decisões feitas por instrutores não é baseada em evidências, mas sim em experiências passadas, tradições e normas locais. Dartmouth testou isso em pesquisas com crianças com amídalas infectadas, e pra quem as amídalas seriam normalmente retiradas via cirurgia. No estudo, cada criança com infecção nas amídalas era simplesmente tratada com antibióticos, e os resultados mostraram que não haveria benefícios significativos em realizar a cirurgia. Por causa disso, amídalas são raramente retiradas hoje em dia. Muitos de nós somos velhos o suficiente para lembrar que na nossa infância amídalas infeccionadas eram sempre retiradas, mas isto mudou pois não há nenhuma evidência médica para essa prática antiga!

O que você pode fazer sobre essas questões?

Seja limpo em sua atuação, possua métodos em sua academia, tire o emagrecimento de seus scripts de vendas e promoções. Exercício é exercício, perda de peso é perda de peso, e donos de academias inteligentes manterão essas duas coisas separadas. Se você possui um programa nutricional como o Take It Off desenvolvido por Casey Conrad, ou APEX e/ou Body Bugg, programas estruturados para mudar hábitos nutricionais, você certamente pode promover a perda de peso.

A Oportunidade/Ameaça aqui é que se você fizer a separação do fitness e a perda de peso seriamente você terá uma razão forte para vender a perda de peso baseada em nutrição, juntamente com seu programa de fitness.

Por Will Phillips

Livro: Ultimate Fitness: A busca da verdade sobre saúde e exercício em 2004. Mesmo como uma adepta comedida de atividade física, Kolata desmascara a maioria dos mitos do fitness que as academias divulgam sobre exercícios e como fazer isso.

20 de out de 2009

Pais omissos geram crescimento da obesidade infantil

Pesquisa mostra que os adultos sentem culpa na hora de proibir os maus hábitos

Falta pulso firme aos pais na hora de controlar a dieta dos filhos. A conclusão é de um estudo, realizado na Escola de Medicina de Harvard (EUA) , a respeito do crescimento dos casos de obesidade infantil. Após acompanhar a rotina de 440 pais de crianças com sobrepeso ,os médicos descobriram que o problema, na maioria das vezes, não está na falta de informação: os adultos sabem o que prejudica a saúde dos filhos, mas sentem-se inseguros em proibir os maus hábitos.

Os pais foram estimulados a vetar a televisão na hora das refeições, reduzir o consumo de fast-food, cortar os refrigerantes, obrigar a prática de exercícios físicos e aumentar o número de refeições feitas. Mas nem sempre as mudanças aconteceram: muitos adultos sentiam-se castigando as crianças ao assumir algumas das medidas as limitações quanto ao uso da televisão e as refeições em família foram as regras mais desrespeitadas. O grupo incluía pais de crianças com idades entre dois e doze anos.

"As crianças aprendem muito com os exemplos. Se os pais proíbem as refeições em frente da televisão, mas fazem lanches na cama, perdem a autoridade", afirma a nutricionista do MinhaVida, Roberta Stella. "Para manter a saúde e o peso ideal, a rotina de toda a família precisa ser saudável. Sem diferenças, fica mais fácil manter a linha: se ninguém em casa toma refrigerante, por exemplo, a tentação some da geladeira"

O estudo também identificou que os adultos que se mantinham no peso ideal mostraram-se mais à vontade para impor as proibições às crianças ao contrário dos pais obesos, mais relutantes em manter as restrições. A autoconfiança também se apresentou diretamente proporcional ao nível de estudo dos pais: aqueles com graduação superior mantiveram-se mais firmes.

18 de out de 2009

Cansaço durante o treino sinaliza falta de preparo físico ou problemas de saúde

Hidratação, respiração, alimentação e período de descanso amenizam o problema

Um, dois, três, quatro. Quatro, três, dois, um! De novo: um, dois, três, qua-tro, trêeees, d-o-i-s.... Afê. Não aguento, chega! Parece engraçado, mas essa sensação de cansaço é muito comum e atrapalha muita gente na hora de treinar. Falta de preparo físico, respiração errada, pouco descanso, desidratação e alimentação incorreta são algumas das principais causas do problema. "Muita gente começa a treinar achando que a quantidade de exercícios interfere no resultado final e daí exageram na medida, descansam pouco, malham demais e assim comprometem a saúde", explica Valéria Alvim, personal trainer do MinhaVida.

"Se o problema é a falta de preparo físico, o treino tem que ser gradativo. Para que o aluno melhore o rendimento, não basta ficar sempre na mesma intensidade. É necessário que comece a receber pequenos estímulos para que a frequência cardíaca varie entre a alta e a normal. Só assim o condicionamento físico vai melhorar e o aluno vai poder dar adeus ao cansaço, explica o atleta Leandro Carvalho, especialista do MinhaVida. Logo abaixo, seguem as dicas para te ajudar a afastar a falta de pique e manter a forma.

O primeiro passo

Faça uma avaliação física antes de iniciar o treino. É por meio dela que detectamos problemas de saúde e descobrimos o treino mais adequado. A avaliação é simples e pode ser feita na academia, hospital, laboratório ou clube. "Com a avaliação, podemos programar a intensidade e a potência do treino, sem prejuízos para a saúde", diz Valéria. O programa de treinamento deve ser progressivo, ou seja, avançar de acordo com o nível de condicionamento físico e necessidade do aluno.

Você sabe como está a sua pressão?

A pressão sanguínea demonstra a resistência do seu coração. Se você tem um melhor condicionamento físico, em decorrência da prática regular de exercícios físicos, e segue uma alimentação balanceada, a pressão fica mais baixa. Por isso, o exercício é um ótimo aliado para prevenir e controlar a pressão alta. Durante o exercício físico, a pressão tende a subir, mas o nosso organismo se adapta a situação, permitindo a dilatação ou constrição dos vasos sanguíneos, ajudando a mantê-la estável. Se ela se alterar muito, é sinal de que tem algo errado com o seu organismo.

Nível de ferro

Um dos motivos para o cansaço que impossibilita a manutenção do nível de esforço pode ser a ocorrência de anemia, que caracteriza-se pela baixa quantidade de ferro no organismo. "O médico deverá interpretar o seu exame para decidir se você deve ou não malhar e qual seria a intensidade do treino", explica a personal.

Nível de colesterol

Ele também indica como anda seu coração, e se as taxas de gordura no sangue não estão elevadas ao ponto de obstruir as artérias e aumentar a pressão sanguínea. "A malhação é mais do que adequada para combater o problema, porém, se feita na dose errada, pode trazer consequências sérias", alerta Valéria.

Gordura corporal

"Se os índices de gordura corporal forem altos, a tendência é que a pessoa sinta mais cansaço até voltar ao peso ideal. Valéria explica que nesses casos, o ideal é que treinador e nutricionista trabalhem juntos para não deixar que o atleta exagere na dose de exercícios e comprometa a saúde".

Depois do check up, o treino

1. Mantenha uma rotina de 4 a 6 vezes por semana de exercícios regularmente

2. Comece devagar, faça exercícios de 3 a 4 vezes por semana em dias alternados e vá aumentando a intensidade e os dias de exercício.

3. Faça um bom aquecimento antes dos exercícios e alongamento depois do treino

4. Beba água na quantidade certa. A hidratação é fundamental para repor líquido e nutrientes, perdidos durante os exercícios. "Muitas pessoas perguntam qual a quantidade de água ou isotônico a ser tomada durante o exercício. Há uma recomendação de tomar 200 ml cerca de 1 hora antes dos exercícios, de 80 a 120 ml a cada 15 minutos de exercício e até 1 litro depois dos exercícios, em pequenos goles, mas não dá para generalizar", diz Valéria.

5. Use roupas e calçados apropriados para a atividade que você irá fazer. As roupas devem ser leves. Se forem pesadas e muito quentes, poderão aumentar o cansaço durante o exercício. O mesmo serve para os calçados. Se forem inadequados, poderão incomodar e até machucar os pés durante e depois do exercício e causar cansaço em excesso.

6. Use boné, óculos e protetor solar se você estiver treinando na rua e prefira um horário em que o sol está mais fraco

7. Respeite o seu limite e período de descanso de acordo com o seu nível de condicionamento físico e a atividade praticada. "Investir pesado não significa resultados mais rápidos, ao contrário, o descanso é fundamental para alcançar suas metas", alerta Valéria.

8. Respire pela boca, pois há um maior fluxo de oxigênio. Quanto mais intenso, mais curta se torna a respiração. É importante fazer exercícios respiratórios para melhorar o seu fluxo respiratório. A yoga é uma boa dica para melhorar a respiração.

14 de out de 2009

Treino de 15 minutos atrai alunos às academias de SP no preparo para o verão

Redes chegam a registrar aumento de até 50% na procura neste período.
Aulas funcionais e com foco no abdômen também são muito procuradas.

Pode até ter chuva e tempo fechado, mas a primavera chegou - e com ela, a corrida às academias para se preparar para o verão. Em algumas redes de São Paulo, a expectativa é que a procura pelas aulas aumente até 50% neste trimestre em relação ao anterior. Entre as apostas para atrair os alunos estão treinos de apenas 15 minutos e aulas que permitem exercícios funcionais com elásticos, utilizando movimentos do pilates.

“As pessoas deixam para treinar mais forte nessa época do ano, é a corrida para o verão. Com essa aula, é possível fazer o treinamento intenso em pouco tempo, ideal para quem tem pouca disponibilidade de tempo. É uma aula bem pesada”, explica a coordenadora de ginástica da academia 4Fit, Thaís Costa Scala. Chamado de Fit Express, o treino de 15 minutos aparece em três versões – glúteos, abdômen e alongamento.

Para a administradora Fátima de Carvalho, de 47 anos, as aulas curtas foram essenciais para que ela continuasse na academia. “Eu costumava ficar uma hora e meia na academia, mas comecei a trabalhar e estou sem tempo. Agora, tem dia que vou e só faço 15 minutos de glúteos. Gosto muito, dá um resultado bem legal”, contou ela. “O treino é curto, mas bem intensificado. Não estou me sentindo culpada por estar fazendo menos tempo de exercícios.”

A academia também implantou uma aula de bike mais curta, de 30 minutos, justamente para quem só pode fazer exercícios em intervalos pequenos. “Como o foco é o verão, essas aulas que queimam mais calorias ficam lotadas”, conta Thaís.

Foco no abdômen

Uma preocupação especial de quem quer se preparar para a praia no fim do ano costuma ser a barriga, que precisa estar sarada. Uma opção para atender essa demanda é o Bio Suspension Training (BST) da academia Bio Ritmo. A modalidade combina exercícios do treinamento funcional – que trabalha os movimentos naturais do corpo, sem sobrecarga – com o treinamento em suspensão – elásticos presos no teto que são utilizados nos exercícios.

“É uma aula que traz consciência corporal e trabalha a força de maneira proporcional ao condicionamento de cada um. Essa e outras aulas que têm muito trabalho no abdômen estão lotadas”, explica a professora Nádia Loureiro. Com meia hora de aula, é possível queimar até 400 calorias. “A gente sempre fica preocupado nesta época do ano por causa do verão, do teste do biquíni. Ela ajuda porque fortalece os músculos, mantêm o abdômen tensionado”, explica a dentista Fernanda Vilas Boas, de 29 anos, que faz a modalidade há um mês.

Frequentador assíduo da academia, na qual vai cinco vezes por semana e passa cerca de duas horas por dia, o químico Fernando Daum, de 37 anos, usa a aula de BST como recurso para intensificar os treinos para o verão. “O fortalecimento é muito bom. Já aumentei um pouco os treinos para definir a barriga, e essa aula ajuda a quem quer manter a forma e ficar sarado. Agora, vão ser treinos intensos até 23 de dezembro.”

Segundo a rede, a demanda nesta época do ano costuma ser 30% maior que a registrada no inverno. Em 2009, entretanto, esse movimento começou no fim de setembro – quando geralmente é feito no início do mês. Segundo a academia, a demora para a volta aos exercícios se deve ao frio fora do normal e à nova gripe, que deixou as pessoas mais reclusas durante o inverno.

No embalo dos ritmos

Quem não gosta tanto de aulas de ginástica também tem opções. A academia Competition lançou recentemente uma aula chamada Latin Fiesta, que reúne ritmos caribenhos para fazer seus alunos queimarem calorias e melhorarem o condicionamento físico. A rede também oferece aulas com o treinamento em suspensão, com o mesmo princípio do BST da Bio Ritmo.

Segundo o coordenador de ginástica da academia, Sandro Nunes, a frequência nas aulas no mês de setembro foi a segunda maior do ano. Isso se reflete nas agendas dos personais trainers, lotadas.

“Tive três alunos que voltaram a treinar este mês. Eu nem tinha mais o horário que eles costumavam fazer. Falei que só podia às 6h, achando que eles não iriam querer, mas toparam”, contou Denis Di Loreto, que trabalha na 4Fit. “É um horário que eles normalmente não fariam. Estou com a parte da manhã lotada, das 6h às 13h é um aluno atrás do outro. O verão faz isso com as pessoas, elas não querem aparecer mal.”

8 de out de 2009

Os custos de ter um funcionário sedentário

Despesas referentes a problemas de saúde de um funcionário sedentário podem chegar a cerca de 330 dólares por ano, segundo o jornal The Physician and Sportsmedicine, destinado a médicos que tratam do equilíbrio entre saúde e exercícios físicos. Esse valor não inclui custos indiretos, como a compensação por ausência no trabalho, perda de produtividade ou doenças crônicas causadas pelo sedentarismo, como diabetes e alguns tipos de câncer.

A Universidade da Carolina do Leste, nos Estados Unidos, disponibiliza em seu site uma ferramenta que permite estimar essa perda através de um rápido teste, disponível apenas para empresas norte-americanas. De acordo com a instituição, um aumento de apenas 5% nas atividades físicas pode reduzir significativamente os custos com cuidados de saúde e perda de produtividade. Kristin Wehner, colunista de saúde da revista Entrepreneur, reuniu cinco dicas de como oferecer qualidade de vida aos seus funcionários.

Confira:


1) Dê o exemplo: Na hora de apoiar os cuidados com a saúde dos funcionários, as organizações mais bem sucedidas contam com o exemplo de superiores e dos que estão há mais tempo trabalhando na empresa.

2) Faça avaliações: Pesquisar sobre os interesses dos funcionários e fazer avaliações dos riscos de saúde pode ajudar a descobrir quais as necessidades da força de trabalho de sua empresa. Você pode começar com medições de peso e pressão sanguínea, por exemplo.

3) Forneça treinamentos: Dê todo apoio para que os funcionários deixem a rotina sedentária. Investir no desenvolvimento de programas e treinamentos para eles ajuda bastante.

4) Crie um ambiente de trabalho saudável: Não adianta fixar um papel na parede divulgando que sua empresa apóia a qualidade de vida. Faça crescer uma cultura organizacional que valorize ações como horário de trabalho flexível, licença maternidade e paternidade, e regras para fumantes.

5) Estimule as atividades físicas: Você não precisa construir uma super academia dentro da empresa, mas pode criar um programa próprio de exercícios. Incentivar o uso das escadas no lugar de elevadores e criar um grupo de ciclistas são algumas sugestões que podem render bons frutos.

4 de out de 2009

Parada súbita de atividade física pode trazer sintomas de depressão

Fadiga e irritabilidade aparecem logo após interrupção dos treinos.
Alteração está ligada ao sistema parassimpático.

Pesquisadores de Maryland, nos Estados Unidos, comprovam que parar de fazer exercícios leva a alterações do humor e a quadros depressivos. Pesquisas anteriores haviam demonstrado que os sedentários são mais propensos a desenvolver quadros depressivos e que a parada súbita de exercícios pode trazer sintomas de depressão.

Fadiga, irritabilidade e tensão emocional costumam aparecer logo após a interrupção dos treinos.

Para comprovar essa relação os cientistas acompanharam 40 homens e mulheres que costumavam malhar pelo menos três vezes por semana.

Metade dos participantes parou de se exercitar e a outra metade continuou com os treinos regulares. Os dois grupos foram avaliados semanalmente pelos pesquisadores.

As avaliações buscavam sintomas como alterações de apetite, dificuldades de dormir e fadiga, bem como alterações do humor e irritabilidade.

Se em média os participantes não mostravam perda significativa do seu condicionamento físico, os mais condicionados também eram os que mostravam a perda mais aguda de capacidade.

Esses mesmos indivíduos também foram os que mudaram mais de humor após a parada dos exercícios.

Os cientistas acreditam que essa alteração esteja ligada ao sistema parassimpático e que o exercício funcione como uma válvula de escape natural trazendo mais equilíbrio ao que o praticam regularmente.

Essa não é mais uma razão para começar ou retomar suas atividades logo?